quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Feliz Natal com arte, afeto, justiça e paz!



























QUANDO AS CRIANÇAS SÃO BEM AMADAS, O CÉU TODO SE ALEGRA E AÍ ENTÃO DEUS SE FAZ PRESENTE NO MEIO DE NÓS E A PAZ ACONTECE NO MUNDO.
Maíra e Raoni
Foto: Arquivo de Zezito e Irene

Uma das melhores lembranças que tenho do antropólogo Darcy Ribeiro é quando ele falou a respeito do natal: “Como é fantástico uma religião que tem um Deus que todos os anos renasce como um menino” .

E da minha parte complemento: “E também como é incrível as condições em que o menino Deus nasceu”.

E a partir daí podemos tirar algumas conclusões: Uma delas é que é necessário de vez em quando deixar emergir o menino e a menina que guardamos em nós. Outra é que precisamos insistir, com gestos e palavras, que este modelo de sociedade não está de acordo com o sonho de Jesus de Nazaré.

E foi por isso que ele nasceu pobre e nos propõe colocar em primeiro plano o projeto do reino de Deus, que é um reino de justiça e de paz, o qual não é condizente com a sede da maioria em acumular riquezas materiais, poder e prestigio — fonte de todos os males da nossa civilização (angustias, solidão, violência urbana etc.) “É mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”.

E nem é preciso acreditar que tudo aconteceu como está escrito nos evangelhos, com data, hora e locais exatos, o mais importante é descobrir o que está escondido por detrás dos símbolos e acontecimentos narrados no livro sagrado.

Neste sentido, vale a pena trazer um momento muito significativo e que representa a possibilidade de celebrar o Natal em sintonia com as outras culturas. Lembram-se que em torno do Menino Deus, conforme a tradição, todas as matrizes culturais, com tudo que isso pode significar em termos de riqueza simbólica, afetiva e estética que a humanidade produziu, estão representadas na figura dos três reis magos?

E isso é muito significativo. Lembro que uma das poucas imagens que guardo dos meus primeiros sete anos de vida é a beleza das cores, dos movimentos e da música do reisado e outros folguedos na festa de reis, em janeiro, na cidade de São Cristóvão, cidade onde nasci (infelizmente essa tradição sucumbiu ao canto da sereia do progresso).

Será que não é hora de trazermos de volta este modo de comemorar o natal, com folias de reis, reisado, pastoril, guerreiro, ciranda e podendo ser também com passos de jongo, da dança dos orixás, da capoeira e de danças tradicionais européias, como fizemos na celebração multicultural no natal de 2007 através da aliança do Consórcio Cultural com a Caravana Internacional Arcoiris?

Não será uma maneira mais adequada para que o menino-Deus possa continuar bem pertinho da gente, bem dentro do nosso coração-manjedoura, alegre e saltitante como todas as crianças?

É este o Feliz Natal que desejo para vocês todos(as).

Com muita arte e cultura, carinho sincero, santa indignação com todas as formas de injustiça e de opressão e atitudes cotidianas de solidariedade.

SEMPRE NATAL!

P.S.: No natal de 2007, enviei a mensagem abaixo para um grupo de amigos de perto e de longe e a repercussão foi muito boa. Em 2008, decidi fazer o mesmo e, sem olhar para o que escrevi, pude constatar, após reler o que escrevi no ano anterior, que o tema e as imagens são recorrentes, o que mudaram foram apenas as palavras. Então resolvi compartilhar essa mensagem com muito mais gente. Este ano publico no overblog o texto de 2007 e 2008. Importante registrar que o texto do teólogo Faustino Teixeira foi o “disparador” da reflexão que elaborei. Já Faustino Teixeira, por sua vez, foi ter na poesia de Fernando Pessoa a fonte para inspirar o seu belo texto, e o poeta Fernando Pessoa, provavelmente, foi buscar inspiração em narrativas sobre a infância de Jesus, as quais podem ser encontradas com mais detalhes em alguns dos evangelhos apócrifos, e assim como no poema de João Cabral de Melo Neto vamos tecendo outras manhãs.

Tecendo a manhã

Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.
2.
E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.



FELIZ NATAL COM FIDELIDADE ÀQUILO QUE É ESSENCIAL (Mensagem de 2007)

Para o antropólogo Darcy Ribeiro,(in memorian), uma das coisas mais interessantes do catolicismo é que Deus todo ano renasce como um menino.

Acredito que seja para nos lembrar que a criança que mora dentro de todos nós deve ser sempre acordada.

É verdade que o modo como a maioria das pessoas celebra o Natal está bem distante do seu verdadeiro sentido, o que não nos impede de buscá-lo e de torná-lo visível, através das diversas formas de expressões artísticas. No texto abaixo, a poesia das palavras procura nos trazer de volta a criança que temos dentro de nós, a qual, às vezes, deixamos bem escondida.

Que essa criança que dorme dentro de nós seja acordada e renasça alegre e contagiante, neste Natal e sempre, e que a dança, o teatro, a pintura, as histórias, a poesia, a música e o cinema ajudem-nos a tornar isso possível.

Por isso, dançar, cantar, pintar, fazer poesia, escrever histórias e o que mais nossa imaginação deixar é preciso.

Viver é isso! Lembram de quando éramos crianças?

Como todos os meninos e meninas são parecidos com o menino Jesus, Ele busca estar sempre perto de nós enquanto criança, enquanto seres que ainda trazem, lá no fundo do coração, a sinceridade espontânea, a beleza cândida, o amor inocente, e a alegria serena e sonhadora dos tempos de infância.

Portanto, o coração é o primeiro lugar onde devemos procurar o verdadeiro Deus-Amor!

Zezito de Oliveira com a colaboração de Maxivel Ferreira


Tempo de Delicadeza
Por: Faustino Teixeira


“Sejamos simples e calmos,
como os regatos e as árvores,
E Deus amar-nos-á fazendo de nós
Belos como as árvores e os regatos,
E dar-nos-á verdor de sua primavera,
E um rio aonde ir ter quando acabemos!...”(Fernando Pessoa)


O advento é para nós cristãos um tempo litúrgico cativante. Um tempo de atenção e expectativa, mas também de escuta e acolhida. Não é um tempo de medo e angústia, mas de paz e delicadeza. É assim que o Anjo do Senhor anuncia o nascimento de Jesus no evangelho de Lucas: “Não tenhais medo! Eis que vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo” (Lc 2,10).

É essa alegria que cativa os pastores para irem ao encontro do menino Jesus: atraídos pela maravilha e pelo amor. Precisamos, sim, recuperar o Jesus menino de que fala tão lindamente Fernando Pessoa em seu poema “guardador de rebanhos”. O menino que escapa de um sonho no fim da primavera e desce à terra para nos oferecer tudo aquilo que os olhos podem dar: a capacidade de ver o mundo de uma forma delicada e diferente. O menino Jesus que desperta no sonho de Alberto Caeiro é a criança que nos falta: “uma criança bonita de riso e natural”, que corre pelas ervas e se encanta com as flores e seu sorriso é sempre aberto. É esse menino que deve habitar a nossa aldeia:


“Ele é a Eterna criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural,
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que sei com toda certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.
E a criança tão humana que é divina”.

É essa criança que nos motiva a olhar o mundo, as criaturas, as religiões de uma forma diferente: mais terna, mais simples, mais aberta e mais delicada. É a “Criança Nova” que nos oferece sua mão, mas que abraça também tudo o que existe. É a “Criança Eterna” que motiva a direção do nosso olhar, capaz de ver a presença do mistério em toda parte; que aguça os nossos ouvidos a captar alegremente o fluxo dinâmico de todos os sons. É a Linda Criança que acende em nossos corações o alento vital e a vontade de derramar vida por todo canto e levantar o que está para morrer.

O advento é tempo desse “acordo íntimo” com o Jesus menino que está sempre nascendo de novo na manjedoura do coração. Ele deve ser para nós o Deus que sempre vem, e nunca uma coisa já acabada. Como apontou Teilhard de Chardin de forma tão rica, “Deus é, antes, para nós o eterno Descobrimento e o eterno Crescimento”.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Fiquem atentos!!

fonte: Assessoria de Planejamento da Secretaria de Estado da Cultura (SE)
Novo formulário
A partir do dia 20 de dezembro, propostas devem ser apresentadas em novo formulário
A partir do próximo dia 20 de dezembro, estará disponível, na página oficial do Ministério da Cultura, um novo formulário para o proponente de projetos culturais que busca financiamento por isenção fiscal previsto na Lei 8.313/91 - conhecida como Lei Rouanet.

Outra novidade é que, a partir do dia 1º de janeiro, o usuário poderá preencher o formulário diretamente na internet. O preenchimento pela internet garantirá maior velocidade à análise do projeto.

Além do formulário eletrônico, o proponente poderá continuar preenchendo o formulário da forma como é feita atualmente - baixando o arquivo pela internet, preenchendo e enviando por correio.

Projetos culturais terão apoio financeiro em 2009 e 2010

Seleção do MCT, Sebrae e Finep prevê recursos não-reembolsáveis de até R$ 4 milhões para inovação nos segmentos de música, audiovisual, manifestações populares e artes cênicasGiovana Perfeito
Sílvio Simões
Fonte: www.sebrae.com.br

Empresas do segmento de economia da cultura poderão contar com apoio de recursos por meio de seleção pública do Sebrae, Finep e MCT


Apoiar micro e pequenas empresas do segmento da economia da cultura no desenvolvimento e implantação de produtos e processos novos ou com melhorias tecnológicas. Esse é o objetivo da Encomenda do Ministério da Ciência e Tecnologia, Sebrae e Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) lançada nesta quinta-feira (18).

Trata-se de uma seleção pública de instituições interessadas em obter apoio para projetos de inovação ligados à criação, produção, circulação, difusão e consumo de bens e serviços culturais nas cadeias produtivas da música, audiovisual ou editorial. Para isso, serão comprometidos recursos não-reembolsáveis no valor de R$ 4 milhões.

A seleção das entidades para o apoio financeiro ocorrerá em duas fases. Na primeira, a instituição proponente deverá apresentar uma carta de manifestação de interesse explicitando o escopo em que atua e os produtos e serviços prestados pela entidade, assim como disponibilidade de equipe, de infra-estrutura, portfólio de projetos voltados para o segmento da economia da cultura e investimentos de parceiros locais.

A proponente que tiver a carta de manifestação selecionada estará habilitada para apresentar seu projeto. Essas propostas podem ter solicitação de apoio financeiro de, no mínimo, R$ 300 mil, e, no máximo, R$ 500 mil. Esses limites não devem considerar valores de contrapartida e outros aportes ao projeto.

A apresentação da carta de manifestação de interesse deve ocorrer até o dia 30 de janeiro. O resultado dessa seleção acontece em fevereiro e em março os interessados devem enviar a proposta de projeto. Todos esses prazos e o regulamento completo podem ser encontrados em documento no site www.sebrae.com.br/inovacao.

O prazo de execução do projeto será de até 24 meses, podendo ser prorrogado a critério da Finep e do Sebrae. Com esse financiamento poderão ser apoiadas despesas correntes, como material de consumo, software, instalação e manutenção de equipamentos, passagens, diárias e participação em eventos. Também serão apoiadas despesas de capital como equipamento, material permanente e material bibliográfico, obras e reformas. Além disso, o recurso poderá ser empregado em despesas operacionais e administrativas destacadas na Lei de Inovação (Lei no 10.973/04).

Serviço:
Economia da Cultura - Apresentação da carta de manifestação de interesse até 31/01/2009 / informações: www.sebrae.com.br/inovacao
Agência Sebrae de Notícias - (61) 3348-7138 / 2107-9362 / www.agenciasebrae.com.br
Os textos e as fotografias veiculadas pela Agência Sebrae de Notícias podem ser reproduzidas gratuitamente mediante a citação da agência e do crédito do fotógrafo. Para mais informações, os jornalistas devem telefonar para (61) 3348.7494, no horário das 10h às 19h.

A explosão do entretenimento

fonte: Revista Isto É
























A entrada de grandes investidores no setor cultural aquece o cenário das artes e cria novo e lucrativo filão na economia
Por IVAN CLAUDIO E NATÁLIA RANGEL

Como em tudo na vida, também nas mais diversas atividades artísticas sorte e talento são fundamentais para o sucesso. Disso os artistas já sabem, como sabem também que seguir essa carreira pode render muito dinheiro - alguns chegam a acumular espantosas fortunas. Agora, quem vem descobrindo esse filão de lucro são aqueles que investem na arte - e a entrada em cena desse novo grupo já ampliou até o conceito de artista. Hoje, na fala dos especialistas, o termo mais em voga é "classe criativa", expressão utilizada para definir agentes culturais, como produtores e investidores, que injetam recursos financeiros nesse setor. Essa classe movimenta um novo negócio que tem o nome empolado de "economia da cultura". Traduzindo o economês, isso significa uma rede de produção que começa no artista, passa pelos canais de exibição de sua obra e chega ao consumidor. O amadurecimento desse campo é tão flagrante que os EUA acabam de divulgar com entusiasmo um relatório sobre essa força de trabalho intitulado Artists in the workforce: 1990- 2005 - contabilizam-se atualmente, no filão da "economia da cultura" ou da "classe criativa" (o que acaba sendo a mesma coisa), cerca de dois milhões de artistas que ganham aproximadamente US$ 70 bilhões por ano.


Livraria Cultura






















Essa explosão da indústria do entretenimento é um fenômeno mundial e superou o faturamento das empresas automobilísticas com o segundo maior rendimento do planeta - só perde para a indústria bélica. No Brasil os números também são animadores. Segundo pesquisa conjunta do IBGE e do Ministério da Cultura, temos em atividade cerca de 400 mil empresas gerando 1,6 milhão de empregos formais, o equivalente a 4% do universo de postos de trabalho. Observa-se que o salário mensal pago aos trabalhadores nessa área é 47% superior à média nacional e gira em torno de 5,1 salários mínimos. Dados da Associação Nacional de Livrarias confirmam o bom momento: 2007 foi o melhor ano da última década com aumento de 10% nas vendas. "Hoje as livrarias passaram a ser âncoras de shoppings, papel que antes pertencia aos grandes magazines", diz Pedro Herz, dono da Livraria Cultura, com megastores em São Paulo, Porto Alegre, Brasília e no Recife. Essa movimentação não se limita aos grandes centros urbanos: mais da metade dos 5.564 municípios brasileiros tem anualmente, por exemplo, algum festival de arte. Quem primeiro detectou uma demanda reprimida foram os donos de casas de espetáculos como a Via Funchal, em São Paulo, ou o Citibank Hall, no Rio de Janeiro. "Antes do surgimento dessas casas, os shows pequenos aconteciam em teatros e os grandes iam para os estádios. Era um setor muito informal, que carecia de investimentos profissionais", diz o empresário Cássio Maluf, sócio, com o irmão Jorge Maluf, da Via Funchal. Eles possuíam uma fábrica de papel e decidiram mudar de ramo quando lhes caiu nas mãos uma pesquisa que apontava as grandes possibilidades do novo setor. Desde a criação da Via Funchal, há uma década, o negócio dos irmãos Maluf cresceu 50% e hoje a casa funciona com ocupação de 70%. Ou seja: dos sete dias da semana, cinco trazem alguma atração, muitas delas na segunda-feira, dia em que as pessoas não reservavam para o lazer. "Estamos colhendo o fruto de ter investido na hora certa", diz Jorge. "Agora todo mundo quer entrar nesse campo."











O produtor Maurício de Andrade Ramos resolveu trocar a área da moda (ele foi sócio de José e Gloria Kalil nas lojas de jeans Fiorucci) pelo cinema e agora é diretor-geral da produtora Videofilmes, empresa carioca que tem como sócios os irmãos Walter e João Moreira Salles. "Há dez anos o cinema era uma atividade muito difícil. Há cinco anos ficou melhor do que estava há dez. Hoje está melhor do que estava há cinco. Nos próximos cinco estará melhor do que está hoje", diz ele na linguagem típica do economista que é. Ramos não sabia distinguir um travelling de uma panorâmica antes de entrar para a produtora, agora conhece tudo em detalhes e garante que não mudará mais de profissão: "Nosso objetivo é voltar ao patamar dos anos 70, quando os filmes brasileiros tinham 35% do público." Há outros na mesma linha, entre eles o exibidor e distribuidor de filmes Jean Thomas Bernardini, dono do complexo de cinemas Reserva Cultural, em São Paulo, mais voltado para as produções independentes: "Enquanto a exibição de filmes diminuiu 11% como um todo, nós crescemos 9%". Nascido na França e morando em São Paulo desde 1978, Bernardini também vem do meio da moda: era dono da marca de jeans McKeen. Ele começou distribuindo filmes de arte e, há três anos, abriu o Reserva Cultural, investimento de R$ 4,4 milhões que reúne quatro salas onde são exibidos títulos de sua distribuidora, a Imovision - foi ele quem lançou no Brasil sucessos como Dançando no escuro, de Lars von Trier, e Amor à flor da pele, de Wong Kar-Wai. No primeiro ano, Bernardini estreou oito filmes e no segundo, 14. Até o final de 2008 deverão ser lançados mais 20 em seus cinemas. "Fizemos uma pesquisa e vimos que existe esse nicho. Até o fato de não vendermos pipoca veio desse levantamento: 70% das pessoas que gostam de filmes independentes não queriam gente comendo pipoca na poltrona ao lado."





















A sensibilidade na identificação de nichos de público é outro fator que vem contribuindo para a profissionalização do setor cultural. Há cinco anos, quando morava em Buenos Aires, a advogada e hoje empresária Fernanda Feitosa percebeu que existia um tipo de consumidor que era pouco explorado no Brasil: o colecionador de obras de arte. Foi observando o sucesso de vendas na feira de arte da capital argentina que ela, ao retornar a São Paulo, criou a SP Arte, maior evento comercial do gênero no País que em maio acolheu num único fim de semana 12,5 mil pessoas entre artistas, críticos, marchands, curadores e, especialmente, compradores - gente que prefere adquirir uma tela de um jovem pintor por R$ 12 mil em vez de, por exemplo, um sofá de grife do mesmo preço. "Se eu não criasse a feira, outra pessoa o faria", diz Fernanda. No terreno musical, dando de ombros diante do desmantelamento da chamada indústria fonográfica, a empresária Kati Almeida Braga, do banco Icatu, decidiu investir e criou a gravadora Biscoito Fino. Levou para o seu catálogo pesos pesados da MPB, como Chico Buarque e Maria Bethânia, e hoje é líder naquilo que faz. Outra empresa que decidiu investir pesado na área cultural foi a Gávea Investimentos, de Armínio Fraga: no ano passado, ele adquiriu por US$ 150 milhões, em sociedade com o empresário Fernando Altério, a Corporação Interamericana de Entretenimento, que reúne, entre outras casas, o Credicard Hall e o Citibank Hall, tanto em São Paulo quanto no Rio de Janeiro.

Tantos investidores mostram o status em que se encontra o mercado de produtos culturais. Trata-se do reflexo de um movimento que já vinha acontecendo com o patrocínio via leis de incentivo, como provam as pesquisas desenvolvidas pela agência Significa, que trabalha com a atitude de marca. Segundo esses estudos anuais, com dados das 500 maiores empresas do País, existe um progressivo deslocamento das verbas para projetos culturais. No ano passado, 77% das empresas investiram na área, batendo o esporte e a ecologia. "Vivemos numa sociedade focada no espetáculo e o entretenimento tem se desenvolvido e profissionalizado numa velocidade incrível. Isso atrai a adesão de empresas que buscam agregar valor à sua marca", diz Yacoff Sarkovas, presidente da Significa. Nessa mesma onda de otimismo, o publicitário Nizan Ganaes já lançou a sua campanha: quer mudar o selo comercial "Made in Brazil" (fabricado no Brasil) para "Created in Brazil" (criado no Brasil). É uma das grandes provas de que a economia cultural vai de vento em popa.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Funk pode ser considerado expressão da cultura popular brasileira

Fonte: Portal da Câmara dos Deputados - Luiz Alves

Chico Alencar lembra que gêneros como samba e maxixe também já foram
alvo de preconceito.
Proposta apresentada pelo deputado Chico Alencar (PSOL-RJ)- Projeto
de Lei 4124/08 - define o funk como forma de manifestação cultural
popular e determina que o Poder Público garanta as condições para a
democratização da sua produção e veiculação musical.

Chico Alencar enfatizou que o movimento funk é hoje, no País, uma
atividade de lazer e cultura popular das mais importantes, reunindo
mais de 1 milhão de jovens todos os fins de semana, apenas na Região
Metropolitana do Rio de Janeiro. Entre cantores, MCs, grupos de
dançarinos e DJs cariocas renomados, estima-se haver atualmente mais
de mil em atividade conhecidos no País e, alguns deles, até no
exterior, informou.

Preconceito
O deputado Chico Alencar, que também é professor de História, lembra
que outros gêneros como o maxixe e o samba já foram alvo de
preconceito. "Houve época em que, no Brasil, era proibido sambar!
Hoje, é o funk que enfrenta toda ordem de preconceitos e tentativas
de desmobilização por parte de segmentos da sociedade que discriminam
manifestações culturais das classes menos abonadas, sobretudo as
ligadas à cultura negra". O parlamentar ressalta ainda que a mídia
nacional freqüentemente refere-se ao funk de modo preconceituoso,
associando-o, em palavras ou imagens, à marginalidade, à violência e
ao tráfico e consumo de drogas.

Pela proposta, o Poder Público deverá garantir a proteção do funk e
dos direitos dos artistas do movimento - reconhecidos como agentes da
cultura popular. Deverá ser assegurada a livre realização das festas
e dos bailes para sua promoção. O projeto define também que a
discriminação e o preconceito contra o movimento funk e seus
integrantes estarão sujeitos às penas previstas em lei.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas
comissões de Educação e Cultura; e de Constituição e Justiça e de
Cidadania.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Arte Contemporânea e Reflexão...

A 30ª Edição do Espetáculo Grandes Momentos da Dança, conta entre outros Espetáculos com a estréia da coreografia “Poemas Brasileiros da Cia de Dança Nelson Santos o objetivo da mostra de dança é atender à demanda e a diversidade da produção expressiva artística do Estado envolvendo as demais áreas da reflexão e da criação artística tais como: dança contemporânea, dança do ventre, jazz, Moderno, Lambaeróbica entre outras...

Compreendendo o tempo através de um recorte cultural reunindo projetos atuais, respeitando as diversidades expressivas e abrindo espaço para formatos novos da criação artística. Nesta 30ª Edição o foco é a quebra de fronteiras, não só entre as linguagens artísticas, mas também nas associações com propostas de reflexão política, no investimento pela busca das raízes e na liberdade de exercício de uma linguagem estética comprometida com os tempos atuais.

Serviço: 30º Grandes Momentos da Dança, dias 22 e 23 de dezembro, segunda dia 22 às 19:00hs, no Teatro Lourival Baptista em Aracaju/SE e terça dia 23 às 20:00hs no Espaço Cultural de São Cristóvão/SE aproveitando a oportunidade, estaremos premiando os destaques 2008 com a entrega do prêmio: Personalidade da Dança.

Em virtude da realização do Espetáculo Grandes Momentos da Dança, solicitamos a cobertura jornalística deste importante evento artístico tendo em vista a necessidade desta solicitação aguardamos a devida providência de Vossa Senhoria.

Atenciosamente,
Nelson Santos
Idealizador


Maiores informações: (79) 8805-3939 - Nelson ou (79) 8818-3965 - Bruno da Cia.





Nelson Santos
Companhia de Dança
10 anos em plena Renovação...



São Cristóvão/SE, 17 de dezembro de 2008



Prêmio Personalidade da Dança 2008
Em conhecimento do trabalho dos profissionais da dança, a Cia de Dança Nelson Santos e o Teatro Lourival Baptista, realizam em dezembro, a entrega do “Prêmio Personalidade da Dança 2008”.
Saiba mais sobre Prêmio Personalidade da Dança:
Criado em 1998 por Nelson Santos Diretor e Coreógrafo da Cia de Dança Nelson Santos, o prêmio Personalidade da Dança já foi agraciado aos mais renomados profissionais da dança do Estado, dos quais destacamos:
• Maira Magno, Lú Spinelle, Nelson Santos, entre outros.
O Prêmio Personalidade da Dança é um reconhecimento da Companhia de Dança Nelson Santos pela relevante contribuição que estes profissionais prestam a arte da dança em nosso Estado.

Certos de contar com o vosso atendimento, desde já elevamos votos de estima e apreço.

Maiores Informações - 8818-3965 / Bruno
8115-0267 / Ezequias



Atenciosamente;
Nelson Santos
Companhia de Dança

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Para não amargar a crise mundial, use cultura nacional

Fonte: AD News

O mundo mudou e veremos nas próximas semanas o desdobrar da crise
financeira. É difícil dizer se a situação vai melhorar após as
inúmeras reuniões dos países ricos, dos emergentes e dos outros.

Também não se sabe se as indefectíveis profecias dos economistas de
sempre serão melhores ou piores que as de hoje. Mas, está claro que a
cultura brasileira e o novo ministro da Cultura têm uma oportunidade
espetacular de ajudar o Brasil a manter o seu crescimento e,
especialmente, o processo de ascensão social de camadas
significativas da população.

Por esse motivo, desprezando-se por hipótese todos os elevados
benefícios que a cultura proporciona ao País, a classe cultural
deveria dar ao novo ministro apoio e suporte para suas ações. E toda
a sociedade pode e deve se envolver com essa questão. Quando o
ministro vai ao Congresso e aos seus colegas de ministério solicitar
reforço de orçamento, está na verdade buscando recursos de
investimento, e não autorização para gastar mais. As razões e os
números são claros e exuberantes:

Em uma crise sem precedentes nas finanças, no sistema bancário e com
as mudanças radicais no clima do planeta, o Brasil tem a riqueza
cultural, das artes, da produção artística. É como os economistas
chamam os bens, os assets.

As últimas pesquisas do IBGE mostram que a cultura no País assumiu
uma importância de 6% a 7% do PIB. O PIB nacional está hoje em torno
de R$ 2,3 trilhões e precisa crescer em torno de R$ 110 bilhões para
manter o ritmo, as políticas sociais, a confiança no governo e nas
suas instituições. Algumas medidas para manter o crescimento podem
ser tomadas no âmbito do Ministério da Cultura:

1) Criar fomento regular no mesmo valor da Lei Rouanet. Portanto,
abrir editais para que as empresas de produção cultural se candidatem
a captar R$ 1 bilhão em 2009 nas áreas de cinema, teatro, dança,
museus, artes plásticas, novos valores, pesquisa de linguagem,
música, literatura, etc.

2) Desburocratizar os mecanismos de aprovação de projetos na Lei
Rouanet (vale lembrar que a Lei Rouanet deu uma contribuição imensa
para a formalização do setor. Inúmeros profissionais abriram empresas
e hoje operam de maneira regular, pagando seus impostos e sentindo-se
cidadãos).

3) Liberar o dinheiro do Mais Cultura para deixar os equipamentos
estaduais e municipais em condições de receber os espetáculos e seus
patrocínios.

4) Ampliar o projeto "Ponto de Cultura" em pelo menos 10% para
fomento em regiões com pouco investimento e/ou com dificuldade para
receber investimentos da Lei Rouanet.

5) Fomentar as exportações brasileiras no ramo do entretenimento com
maior controle da arrecadação de música no exterior, fomentar as
exportações do audiovisual, estudar a redução de impostos para
exportação e desburocratizar a exportação das artes plásticas.

6) Investir no Patrimônio Histórico e Cultural para incentivar o
turismo local e internacional.

7) Investir nos museus do País para melhor cuidado do acervo e
funcionamento aos sábados, domingos e feriados.

8) Reduzir ainda mais a burocracia e os impostos para editoras de
livros e gravadoras de CDs e DVDs.

9) Introduzir o mais rapidamente possível o ensino de música nas
escolas primárias para a melhoria e aprimoramento do desenvolvimento
escolar e, conseqüentemente, da educação no Brasil.

10) Continuar lutando para que o orçamento da cultura chegue a R$ 1
bilhão, para poder implementar e fomentar a política pública desejada
pelo presidente, ministros e governos estaduais.

Estas medidas podem contribuir para um crescimento do PIB da cultura
em mais de 5%, dando uma contribuição imediata para a manutenção do
crescimento e do PIB nacional. A cultura e a construção civil são
dois setores intensivos em mão-de-obra e serviços, permitem contratar
trabalhadores com todos os níveis de qualificação e gerar renda
imediata.

Esta é uma pauta sobre a qual todos nós, lutadores da cultura,
lutadores por um Brasil melhor, interessados na promoção social e no
bem-estar do povo brasileiro, deveríamos refletir. Dar apoio ao novo
titular da pasta da Cultura é dar apoio ao Brasil, é pensar em
soluções no lugar de amargar a crise. É procurar caminhos e trilhá-
los. Afinal, como disse Emily Dickinson, a grande poetisa
americana, "sem saber quando virá o amanhecer, eu abro todas as
portas".

Sim Salabim!!!!Aperfeiçoado, com trilha sonora executada ao vivo, além da pipoca, algodão doce...

Respeitavel publico amigo!!! Temos o prazer de convida los para assistir o novo Sim Salabim!!!!Aperfeiçoado, com trilha sonora executada ao vivo, além da pipoca, algodão doce... A primeira parte do espetáculo será realizada pela familia de circo mais antiga do estado,a familia Barros!!! Sábado , 20 de dez as 21 hLona do Circo Londres, que estará armada ao lado da UNIT Farolândia, (no estacionamento).Preço popular:R$ 3,00Ate breve!!!

Cia. O Minímo

Robert e Iris

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Decisão do Fórum estimula a produção de editais de circulação e distribuição de produtos culturais

fonte: www.cultura.se.gov.br
Discutir, buscar alternativas e colocar em prática ações que motivem a preservação do maior bem popular que é a sua cultura. Com esse objetivo, acaba de ser realizado na capital pernambucana, o Fórum de Secretários de Estado da Cultura do Nordeste. O evento precedeu o encontro dos governadores realizado no último dia 02, evento este que contou com a presença do presidente Lula. O Fórum mobilizou os dirigentes da pasta dos nove Estados, além de autoridades da esfera federal a exemplo do Ministro da Cultura. Juca Ferreira se mostrou sensível aos apelos institucionais, carentes não só de recursos, como de viabilidades práticas para a execução de projetos cada vez mais participativos e voltados aos interesses comuns dos artistas e da população.

Na área cultural, o encontro que vem tendo suas alternativas discutidas nos últimos dois anos, conseguiu unidade em termos de política cultural para os Estados da região. Esse aspecto positivo é destacado pelo professor e titular da pasta em nosso Estado, Luiz Alberto dos Santos.

Foram estabelecidos eixos considerados imprescindíveis para ações na área, por exemplo: a) desenvolvimento institucional com a realização de cursos de qualificação de gestores em políticas públicas de cultura e desenvolvimento regional que possibilite a estes gestores utilizarem mecanismos de economia na gestão administrativa; b) difusão da cultura nordestina; c) Conexão com os produtos culturais.



Em relação à difusão da política cultural os secretários retornaram aos seus Estados com a aprovação de um calendário cultural para o nordeste que evidenciará cinco grandes atividades reivindicadas pela região na sua relação com os demais estados, permitindo desta forma a interação com o turismo nordestino.

No caso de Sergipe, o destaque vai para o ciclo junino, período em que deverá haver uma convergência com a Bahia por não haver naquele Estado a força desta tradição. "Dialogamos com a Bahia para que possamos receber turistas, principalmente os estrangeiros que ali aportam para usufruir em nossa capital desse grande momento que é a festividade junina", afirma o secretário, professor Luiz Alberto dos Santos.

Outros eventos que merecem destaque são: o Encontro Cultural de Laranjeiras; o Festival Curta-SE; Agosto para Todos com evidência para o estudo sobre o folclore; o Jazz Festival; a Feira do Livro e a Semana da Consciência Negra.

"Estamos assumindo o desafio com outros Estados nordestinos de realizar em novembro do próximo ano aqui em nossa capital, o encontro das Orquestras Sinfônicas da região", revela o secretário.

Ao final do Fórum os secretários de cultura entregaram ao ministro Juca Ferreira um documento reivindicatório o qual foi por ele assumido integralmente o compromisso de apoiar a política cultural para a região nordeste.

Encontro de Danças Circulares aberto ao público em geral, no Parque da Sementeira

Queridos amigos do círculo

No próximo domingo, dia 14 de dezembro, às 15 horas, realizaremos o nosso Encontro de Danças Circulares aberto ao público em geral, no Parque da Sementeira (Parque Augusto Franco)!

E para a realização do evento, que encerra a nossa temporada de atividades em 2008 ainda homenageando a Bernhard Wosien, contamos com a sua importante presença e colaboração para juntos empreendermos o resgate e a difusão das Danças Circulares em Sergipe e no mundo!
PARTICIPE!!!

P.S.: Solicitamos àqueles que forem colaborar coma a focalização de danças no encontro (como ocorrera em nosso Baile), que nos enviem o nome das danças previamente, para que possamos nos organizar com mais antecedência, e o evento possa melhor fluir.


"A liberdade é a capacidade do homem de assumir seu próprio desenvolvimento. É nossa capacidade de moldar a nós mesmos."
-- Dr. Rollo May



"Tenha horas regulares para trabalhar e para se divertir; torne cada dia tão útil quanto prazeiroso, e prove que você compreende o valor do tempo empregando-o bem. Então, a juventude será deliciosa, a velhice trará poucos arrependimentos, e a vida se tornará um lindo sucesso."

-- Louisa May Alcott

(NOVAS TECNOLOGIAS)Usuários transformam YouTube em fonte de renda

The New York Times
Fonte: Portal Ultimo Segundo

ImprimirEnviarCorrigirFale ConoscoFazer vídeos para o YouTube (há três anos uma das principais diversões dos usuários da internet) agora também é fonte de renda.

Um ano depois que o YouTube, a grande potência dos vídeos online, convidou seus membros a se tornarem "sócios" colocando anúncios em seus vídeos. Os usuários mais bem sucedidos recebem valores de seis dígitos por sua participação. Para alguns, como Michael Buckley, o apresentador de um programa sobre celebridades que aprendeu tudo sozinho, fazer filmes engraçados agora é um emprego período integral.

Buckley abandonou seu emprego formal em setembro depois que sua renda online ultrapassou em muito seu salário como assistente administrativo de uma companhia de promoção musical. Seu programa veiculado três vezes por semana "é bobo", ele diz, mas o ajudou a evitar o cartão de crédito.

Buckley, 33, era apresentador de um programa semanal de um canal público de Connecticut no verão de 2006 quando seu primo começou a publicar trechos no YouTube. As afirmações cômicas sobre celebridades atraíram visitantes e rapidamente Buckley criou um segmento chamado "What the Buck?" unicamente para a internet. Buckley sabia que o programa teria uma "limitação no canal público".

"Mas no YouTube eu fui visto 100 milhões de vezes", ele disse. "É uma loucura".


Buckley e seu programa sobre celebridades exibido no YouTube / NYT

Tudo que ele precisou foi uma câmera Canon de US$2 mil, um pedaço de pano de US$6 como fundo e um par de luzes de trabalho compradas na loja Home Depot. Buckley é um exemplo de como a internet democratiza a publicação de conteúdo. Sites como o YouTube permitem que qualquer um com uma conexão à internet encontre algum fã, simplesmente publicando e promovendo seu material.

Ainda assim, a construção de uma audiência leva algum tempo. "Eu passei 40 horas por semana no YouTube no último ano antes de ganhar um centavo", disse Buckley (mas pelo menos em alguns casos isso vale a pena".

Buckley é um dos membros originais do programa de parceria do YouTube, que agora inclui milhares de participantes, de criadores de vídeos de porão a grandes companhias de mídia. O YouTube, subsidiário do Google, coloca anúncios dentro e em volta dos vídeos de seus parceiros e distribui a renda com seus criadores. "Nós queríamos transformar estes hobbies em negócios", disse Hunter Walk, diretor de gerenciamento de produto do site, que chama usuários populares como Buckley de "companhias de mídia não intencionais".

Diversão rentável

O YouTube se recusou a comentar quanto dinheiro os parceiros ganham em média, parcialmente porque a demanda por anúncios varia de acordo com os vídeos. Mas o porta-voz Aaron Zamost disse que "centenas de parceiros do YouTube recebem milhares de dólares ao mês". Pelo menos alguns vivem disso: Buckley diz que recebe mais de US$100 mil dos anúncios do YouTube.

O programa soluciona parcialmente o problema do site. O YouTube site registra 10 vezes mais audiência do que qualquer outro website de compartilhamento de vídeos nos Estados Unidos, mas se mostrou difícil de ser lucrativo para o Google, principalmente porque a maioria dos vídeos são publicados por usuários anônimos que podem não ter os direitos sobre o conteúdo que disponibilizam.

Ainda que o YouTube tenha impedido grande parte da veiculação de vídeos ilegalmente, ainda teme colocar anúncios sem a autorização dos usuários. Como resultado disso, apenas 3% dos vídeos do site são apoiados por propagandas.

Por BRIAN STELTERK

Leia mais sobre YouTube

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

GONZAGÃO PROGRAMAÇÃO DE DEZEMBRO 2008

Todos os dias, das 8 às 12h

Telecentro Gonzagão Curso de informática básica com utilização de software livre.

Público alvo: estudantes de escolas públicas

Academia da Cidade no Gonzagão

Aberta a todas as faixas etárias

Todas as terças, quintas e sábados, das 5 às 8h

Parceria: PMA/Secretaria Municipal de Saúde

Dia 7, domingo, todo o dia, Festa de Aniversário do Clube Sergipe

Dia 14, domingo, todo o dia, Evento Gospel da Convenção Unida
Dias 19 e 20, sexta e sábado, ás 19h, Show Gospel- Banda Jeová Nisse de Feira de Santana (BA) – Realização: Comunidade Aliança

Dia 22, segunda, Celebração Multicultural de Natal– Confratenização dos agentes ligados ao consórcio cultural.

Dia 27, sábado, às 20h, Baile de Verão com a Banda Lagarta de Fogo

Realização: Paróquia Nossa Senhora Aparecida

Dia 28, domingo, às 14h, Festa Estudantil da Paz

Dia 31, quarta-feira, ás 20h, Evento Gospel da Igreja Shalom

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Mostra 30ª Edição Grandes Momentos da Dança

A mostra grandes momentos da dança, tem sua Trigésima Edição na Cidade de São Cristóvão/SE e Aracaju/SE, seus objetivos são: valorizar e incentivar a produção de dança e trabalho de companhias conceituadas, escolas e produção independente de bailarinos profissionais e estudantes.
Procurar suprir as necessidades de aprimoramento técnicos e reciclagem, troca de experiências entre os participantes e público interessado, também democratizar o acesso à cultura para tanto e evento será composto de: Mostra de Dança não competitiva, mas com caráter avaliativo apresentações de profissionais e amadores. Cursos de dança que visam o aperfeiçoamento técnico e artístico dos bailarinos, cursos, expressão corporal, criação coreográfica e dança contemporânea.
A mostra Grandes Momentos da Dança, uma realização da Nelson Santos Cia de Dança (apoio do Teatro Lourival Baptista). A mostra acontecerá no dia 22 de dezembro de 2008, no Teatro Lourival Baptista às 19hs, Rua Laranjeiras, nº 1957, Bairro Siqueira Campos; e terça-feira, 23 de dezembro no Espaço Cultural de São Cristóvão/SE, às 19hs.
Serão entregue os prêmios para as Categorias: Melhor Espetáculo do ano, Melhor Companhia Contemporânea, Melhor Grupo de Lambaeróbica, Melhor Coreógrafo de Lambaeróbica, melhor Coreógrafo, melhor Dançarino de Street Dance, (4) Menção Honrosa, Grupo Revelação Masculina, Grupo Destaque 2008, Melhor Bailarino, Bailarina Destaque, Bailarina Revelação, Bailarino Destaque entre outras.
A Cia abre inscrição para a noite de Gala Bailarinos, Grupos e Escolas que queiram apresentar seus trabalhos, procurar o idealizador: Nelson Santos de terça a quinta das 17:30hs às 19:30hs na Sala de Dança Dorinha Teixeira anexo ao Teatro Lourival Baptista. O valor da inscrição é de R$5,00 por bailarino.

Santa Catarina: campeã do desmatamento e das enchentes


fonte: http://chicaodoispassos.blogspot.com

Ong SOS Mata Atlântica divulgou um relatório dos maiores estados e municípios desmatadores da mata atlântica. Os estudo abrange o período entre 2000 e 2005.

Santa Catarina foi o estado campeão. Minas Gerais ficou em segundo lugar.

O que isto tem a ver com as enchentes. Enchentes são fenômenos cíclicos da natureza. Mas, que são muito agravadas quando a água escoa livremente e rapidamente para os rios.

A mata retém em suas raízes boa parte da água das chuvas, que posteriormente infiltra na terra e alimenta os lençóis freáticos. Depois, ao longo do ano esta água é liberada pelas nascentes, ajudando a combater os efeitos da seca. É um equilíbrio importante e de grande impacto na vida das plantas, animais e pessoas.

Os exemplos de recuperação das matas são poucos e importantes. Os exemplos de destruição da natureza são abundantes. Ainda podemos virar este jogo.

Veja este bom exemplo.

O que o casal da reportagem está fazendo é salvar um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica do Vale do Itajaí (a região atingida pela enchente).

No mundo tudo está interligado. Certamente as pessoas que compravam pizzas sem se importar com a origem da lenha que queimava no forno estão passando agora por grande sofrimento.

Vamos orar, ajudar e CONSCIENTIZAR.


Abaixo o relato do casal:

"Já compramos 433 hectares de áreas preservadas nas cabeceiras do rio Itajaí, em Itaiópolis (SC), e tudo está sendo transformada em RPPN. ... Salvamos da destruição muitos quilômetros de matas ciliares e milhares de árvores, muitas com mais de 300 anos de idade e da lista das espécies ameaçadas. Sem contar a riquíssima biodiversidade de outras plantas e animais. Assim, estamos realmente “fazendo a nossa parte” sem ter que esperar 300 anos ou mais para ver se vai dar certo, caso tivéssemos optado pelo plantio de árvores, onde teríamos gastado muito mais (5 vezes mais, no mínimo). De sobra, ainda salvamos milhares de animais, nossa biodiversidade, que infelizmente não ressuscitam e tampouco brotam a partir de meia dúzia de espécies árvores nativas plantadas".


NO FUTURO NOSSA GERAÇÃO SERÁ CONHECIDA COMO A GERAÇÃO QUE CONDUZIU O HOLOCAUSTO ANIMAL.


.

sábado, 6 de dezembro de 2008

CLICK EM CIMA DA IMAGEM PARA AMPLIAR

(NOVAS TECNOLOGIAS) Quatro Coisas para pensar em rede...

Enviado por: "Egeu Laus" egeulaus@terra.com.br

Resistir à tentação de fazer redes de instituições (entidades,
organizações).


Muitas vezes, é necessário, para começar um projeto ou mesmo para dar
respaldo à sua implantação, reunir instituições em torno de um
propósito. Pode-se até chamar esse conjunto de instituições de rede.
No entanto, redes propriamente ditas, ou seja, redes distribuídas, não
podem ser compostas por instituições hierárquicas (centralizadas ou
descentralizadas, quer dizer, multicentralizadas) . Redes distribuídas
devem ser de pessoas (P2P). Portanto, é necessário conectar as pessoas
diretamente à rede, mesmo que essas pessoas ainda imaginem estar ali
representando suas instituições. Ocorre que um membro conectado à rede
não pode ser substituído por outro membro da mesma instituição
(nenhuma pessoa é substituível em uma rede). Além disso, as redes
devem ser compostas pelas pessoas que queiram participar delas,
independentemente de estarem ou não “representando” instituições, pois
redes não são coletivos de representação, mas de participação direta
ou de interação — sem mediações de instituições hierárquicas.

Resistir à tentação de fazer reuniões para discussão ou deliberação
com os membros da rede.


Rede é uma forma de organização que não se baseia no ajuntamento,
arrebanhamento, confinamento de pobres coitados em uma salinha
fechada, onde, em geral, discute-se o que outros (que não estão ali)
devem fazer. Sim, pois se for para fazer alguma coisa, então, não se
trata de reunião de discussão e sim de atividade coletiva. Outra coisa
nociva é a tal da reunião para decidir algo, sobretudo pelo voto. Isso
é um desastre! Se houver necessidade de votar para decidir, é sinal de
que o assunto não está maduro. Se estivesse, a solução se imporia
naturalmente.

Ter sempre presente que fazer rede é fazer amigos. Tão simples assim.
Então, as pessoas devem estabelecer comunicações pessoais entre si,
uma a uma. Cada membro da rede é um participante único,
insubstituível, totalmente personalizado, que deve ser tratado sempre
pelo nome, valorizado pelo que tem de peculiar, incluído pelo
reconhecimento de suas potencialidades distintivas. Nada, portanto, de
circulares impessoais, panfletos, chamamentos coletivos. Nada de
mobilização de massa. Quem gosta de massa são os candidatos a
condutores de rebanhos, que estabelecem uma relação vertical,
autoritária e paternalista com o povo.

Levar em conta que rede é um campo para a emergência do fenômeno da
multilideranç a.
Cada um pode ser líder em algum assunto de que goste e domine, por
meio do qual seja capaz de propor iniciativas que sejam acolhidas
voluntariamente por outros. Redes não podem ter líderes únicos,
líderes de todos os assuntos, dirigentes autocráticos que tentam
monopolizar a liderança e impedir que os outros a exerçam.

Augusto de Franco
criador da http://escoladeredes.ning.com

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

CURSO DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL























Conforme definido em 13/11, por ocasião da reunião realizada com a Assessora do SEBRAE Maisa Amorim e integrantes do Consórcio Cultural, no Gonzagão, encaminhamos oficio à diretoria técnica daquele orgão e obtivemos a aprovação para a realização dos seguintes cursos:

JUNTOS SOMOS FORTES

Para quem quer trabalhar de forma coletiva, montando seu negócio com um grupo de amigos ou pessoas da sua comunidade.

O curso é composto de 5 temas:

O importante é cooperar;
Tá na rede é peixe (formação de uma rede de cooperação)
Remover as pedras do caminho
Parceiros pra valer;
Vamos administrar juntos.

APREENDER A EMPREENDER
É o curso para você que deseja aprender a solucionar as questões essenciais relacionadas à gestão de um pequeno negócio.

O curso é composto de 10 temas:

O empreendedor;
Mercado, o mapa da mina;
A empresa e o mercado;
Os números da empresa;
O ponto de equilibrio;
O resultado da empresa;
O resultado com vários produtos;
Capital de giro e fluxo de caixa;
Problemas e soluções;
Plano de empresa.



Período: 09 a 13 de dezembro
Horário: 13hs às 20hs
Local: SEBRAE-SE

Aguardamos confirmação de participação urgente, com nome, telefone, grau de escolaridade e área de atução no segmento cultural.
Para empreendimentos coletivos é altamente recomendável a participação de no minimo duas pessoas.

Em função da necessidade de se garantir a qualidade do resultado do curso, é importante: Chegar no horário estipulado; Não sair antes do horário do fechamento dos trabalhos; Não marcar compromissos para os dias e horários da oficina.

Abrs,


Zezito de Oliveira

LEIA TAMBÉM:

http://www.overmundo.com.br/overblog/a-saida-e-estudar-politicas-culturais-2-parte
http://consorciocultural.blogspot.com/2008/05/um-sucesso-palestra-sobre.html

TEXTO SOBRE ECONOMIA DA CULTURA NO PORTAL OVERMUNDO

Caros (as ) Amigos (as).

Como podemos conquistar aliados junto as lideranças de movimentos sociais, entidades, ongs, parlamentos, imprensa, empresas, governos e etc.. para que o investimento em cultura seja ampliado?

Como conseguir apoio de professores e estudantes para a realização de estudos e pesquisas acadêmicas que dê sustentação ao que percebemos, a partir da nossa vivência no cotidiano como artista, produtor cultural, educador, gestor cultural e etc.?

http://www.overmundo.com.br/overblog/cultura-para-quem-precisa-de-cultura#c55523

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Território de Paz promove a cidadania e combate à violência em áreas vulneráveis

fonte: Editado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República
Nº 735 - Brasília, 2 de Dezembro de 2008


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciou nesta terça-feira (2), ao lado do ministro da Justiça, Tarso Genro, no bairro de Santo Amaro em Recife (PE), o lançamento do Território de Paz do Pronasci, que será implantado em várias localidades do país. São mais de 20 projetos em cada comunidade, além de ações integradas de cidadania para combater a violência, com recursos de R$ 1,4 bilhão em investimentos.

O Território de Paz vai mudar a relação entre os policiais e a comunidade – relação muitas vezes marcada por agressões de ambas as partes. “A paz vai prevalecer em Santo Amaro”, afirmou o presidente Lula durante o lançamento, acrescentando que a melhor forma de combater a violência é a presença efetiva do Estado. “Os homens e as mulheres de bem serão a maioria em qualquer lugar deste País”, completou.

A idéia é fortalecer o policiamento comunitário. O policial será estimulado a manter uma nova relação com a comunidade, baseada na confiança. Fará a ronda sempre na mesma região, tornando-se conhecido da população local.

Cerca de 400 jovens de Santo Amaro serão inseridos no Projeto de Proteção de Jovens em Território Vulnerável (Protejo), voltado ao público de 15 a 24 anos, entre moradores de rua, vítimas de violência doméstica ou urbana e adolescentes em conflito com a lei. Eles passarão a contar com atividades culturais, esportivas e educacionais. Como incentivo, receberão um auxílio mensal de R$ 100. O Protejo vai investir R$ 7,4 milhões no estado e beneficiará 2.800 jovens.

Na quinta-feira (4), será a vez do presidente Lula levar o Território de Paz para o Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. Na ocasião, o presidente e o ministro Tarso Genro vão anunciar 20 projetos e ações sociais do Pronasci para a prevenção da violência no local. Entre eles, o Mulheres da Paz, em que 2.550 lideranças femininas cariocas deverão participar. Elas começam a receber capacitação já a partir desta sexta-feira (5), com a missão de prevenir conflitos locais e afastar os jovens da criminalidade. As mulheres receberão uma bolsa de R$ 190 por mês.

Rede de cidadania – Segundo o ministro, os Territórios de Paz são locais em que todos os projetos previstos no Pronasci estão sendo aplicados de forma harmônica. Como, por exemplo, a Rede de Altos Estudos em Segurança Pública (Renaesp), que capacita policiais em cursos como Direitos Humanos, Cidadania, Uso Progressivo da Força, e que já tem mais de 170 mil agentes matriculados. Desses, quase 60 mil recebem o Bolsa-Formação, um adicional que pode alcançar até 40% da remuneração do policial para a formação do policiamento comunitário ou para a elaboração de uma técnica de preservação do ambiente do crime, por exemplo, para que a perícia seja feita.

Inicialmente, serão inaugurados quatro territórios: além de Santo Amaro e do Alemão, vão ser beneficiadas também as localidades de Itapoã, no Distrito Federal, e Zona de Atendimento Prioritário 5, no Rio Branco. “A idéia é que os Territórios de Paz se disseminem. Nossa visão de segurança pública não é aquela em que os problemas são resolvidos com a entrada violenta da polícia, que depois vai embora, deixando a população à mercê do crime organizado. É necessário que o policiamento comunitário e a presença das estruturas de serviço da União se expandam até que o território seja ocupado pelo Estado, funcionando como blindagem policial, política e cultural para que o crime não prospere”, enfatiza Tarso Genro.

O Território de Paz do Complexo do Alemão terá 20 postos de polícia e contará com 600 profissionais – 450 deles já começando a atuar nesta quinta-feira, 4 - mais bem preparados e valorizados pelo Bolsa Formação de R$ 400 e pelo Plano Habitacional ( 3 mil casas populares entregues até março de 2009).

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Seminário encerra Mostra Regional 'Fábrica Popular Nordeste'


Grupo de São Gonçalo - Pov. Mussuca/Laranjeiras Foto: Edson Araujo


Grupo de TO de Estância - Foto: Edson Araujo
Platéia - Foto: Edson Araújo


Grupo de TO da Cidade de Estância/SE Foto Edson Araújo
Platéia - Foto: Edson Araujo

Exposição "Estética do Oprimido" Foto: Edson Araujo


VEJA MAIS FOTOGRAFIAS NO POST ABAIXO








O projeto 'Fábrica de Teatro Popular Nordeste' promoveu no último domingo, 30 de novembro, um seminário para encerrar as atividades da Mostra Regional 'Fábrica de Teatro Popular Nordeste', realizada nos dias 28 e 29, no Complexo Cultural Gonzagão.

O evento privilegiou o público com as ações do projeto, através de espetáculos de teatro, exposição estética, lançamento da revista Metaxis IV, documentário, além da participação de 90 multiplicadores do Teatro do Oprimido do Nordeste.

O projeto é uma realização do Centro de Teatro do Oprimido (CTO), que busca formar multiplicadores do Teatro nos estados de Sergipe, Alagoas e Pernambuco. A iniciativa conta com o patrocínio da Petrobrás e é desenvolvida em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura de Sergipe, o Serviço Social do Comércio dos estados de Alagoas e Pernambuco e a Secretaria de Educação de Pernambuco.

Em Sergipe, o projeto atua em onze municípios, incluindo Aracaju, buscando democratizar o acesso de crianças, jovens, adultos e idosos aos meios de criação artística e, com isso, multiplicar a produção cultural comunitária.

Segundo a coordenadora do Teatro do Oprimido no Nordeste, Bárbara Santos, o encontro serviu para avaliar o trabalho do Grupo e o seu posicionamento quanto ao futuro. "O nosso objetivo é que esses multiplicadores busquem a sustentabilidade e a continuidade das ações locais. Dessa forma, tentamos estimular que as pessoas se apropriem dos nossos ensinamentos e sigam adiante com suas próprias comunidades".

Transformação

Na expectativa de transformar a realidade das pessoas que participam do projeto, as atividades da Fábrica se concentram na utilização de um mecanismo teatral criado por Augusto Boal, chamada de "Técnica do Teatro-Fórum". Nesse método, há a transformação de problemas reais em espetáculos teatrais que estimulem a discussão pública de temas variados, inclusive os considerados tabus.

Assim, ao incluir as problemáticas existentes na vida dessas pessoas, o projeto propõe que os multiplicadores , além de aprender, também ensinem e façam um grande dialogo democrático e propositivo com as comunidades, Pontos de cultura, movimentos sociais, e grupos culturais.

"Tudo que nós fazemos é buscando transformar essa realidade em um mundo melhor. Estamos acostumados com violência, pobreza e miséria. Através do teatro, podemos enxergá-la com mais precisão e nos conscientizarmos do mundo em que vivemos", salientou a coordenadora.

Bárbara Santos disse ainda que o próximo passo será discutir com os multiplicadores quais serão as perspectivas vislumbradas por eles. Para ela, o secretário de Estado da Cultura, Luiz Alberto dos Santos, valoriza a importância da formação dos multiplicadores. "È preciso então que eles se organizem e se comuniquem melhor com a Secretaria para obter apoio" finalizou a coordenadora.

TEATRO DO OPRIMIDO REALIZOU MOSTRA NO GONZAGÃO

Aconteceu no Complexo Cultural Gonzagão na última sexta-feira, 28, e sábado, 29 de novembro, a Mostra Regional 'Fábrica de Teatro Popular Nordeste'. O evento foi realizado pelo Centro de Teatro do Oprimido (CTO) do Rio de Janeiro, com patrocínio da Petrobras e parcerias da Secretaria de Estado da Cultura (SEC), Sesc Alagoas, Secretaria Estadual de Educação de Pernambuco, Sesc Pernambuco e Fundarpe.

A abertura foi marcada pela exposição de trabalhos artísticos da Estética do Oprimido, apresentação de um grupo de dança de Aracaju, documentário sobre o projeto 'Fábrica de Teatro Popular Nordeste', lançamento da revista Metaxis IV e espetáculos produzidos e encenados pelos grupos multiplicadores do Teatro do Oprimido (TO) existentes e atuantes em Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

Segundo Bárbara Santos, coordenadora da Fábrica de Teatro Nordeste, "a mostra teve o objetivo de realizar um grande encontro aberto ao público para mostrar o resultado dos trabalhos desenvolvidos pelo Teatro do Oprimido ao longo de 2008".

Na oportunidade, exposições reflexivas acerca da Estética do Oprimido abordaram temas sociais, alertando para a necessidade de uma conscientização na sociedades para as problemáticas mudiais. Os trabalhos foram produzidos pelos grupos comunitários e estiveram sob a orientação de Helen Sarapeck, Flávio Sanctum, Claudete Felix, Cláudia Simone, Olivar Bendelack e Cláudio Rocha, Curingas do CTO, e direção artística do teatrólogo Augusto Boal.

Helen Sarapeck, representante do projeto em Alagoas comenta que o evento é uma oportunidade para os grupos falarem dos problemas que vivenciam, assim como, um espaço para a interação com a sociedade.

A noite de abertura contou também com grupos de Teatro do Oprimido de Pernambuco, que reservaram um momento especial com música, dança e poesia. O público que compareceu ao evento pôde prestigiar a apresentação de Teatro-Fórum com espetáculo do grupo de TO de Sergipe, seguido de sessão de Teatro Legislativo e a apresentação do Coco de Alagoas.

FÁBRICA DE TEATRO POPULAR NORDESTE SERÁ ABERTA SEXTA-FEIRA

Aracaju vai sediar a Mostra Regional ‘Fábrica de Teatro Popular Nordeste’, uma realização do Centro de Teatro do Oprimido (CTO) do Rio de Janeiro, com patrocínio da Petrobras e parcerias da Secretaria Estadual de Cultura de Sergipe, Sesc Alagoas, Secretaria Estadual de Educação de Pernambuco, Sesc Pernambuco e Fundarpe. O evento acontece nos dias 28 e 29 de novembro, às 19h, no Complexo Cultural Gonzagão, e vai privilegiar o público com espetáculos de teatro, uma exposição estética, lançamento da revista Metaxis IV e um documentário, além da participação 90 multiplicadores de grupos de Teatro do Oprimido de Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

Logo na chegada ao Gonzagão, o público vai poder apreciar uma exposição alegre, colorida, divertida e reflexiva da Estética do Oprimido, que consta de trabalhos artísticos produzidos pelos grupos comunitários ao longo de 2008, sob orientação de Helen Sarapeck, Flávio Sanctum, Claudete Felix, Cláudia Simone, Olivar Bendelack e Cláudio Rocha, Curingas do CTO, e direção artística do teatrólogo Augusto Boal. Em seguida será apresentado o documentário ‘Fábrica de Teatro Popular Nordeste’, que conta os oito meses de atuação do CTO na região, e o lançamento da Metaxis IV, revista do Centro de Teatro do Oprimido. E, finalmente, acontecem os espetáculos produzidos e encenados pelos grupos e Multiplicadores de Teatro do Oprimido (TO) existentes e atuantes em Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

Programação
Na sexta-feira, 28, às 19h, acontecerá a abertura do evento com exposição de trabalhos artísticos da Estética do Oprimido, apresentação de um grupo de dança de Aracaju, do documentário sobre o projeto Fábrica de Teatro Popular Nordeste e lançamento da revista Metaxis IV. O intervalo artístico desta noite será preparado pelos grupos de TO de Pernambuco, com música, dança e poesia. Na seqüência ocorrera apresentação de Teatro-Fórum com espetáculo do grupo de TO de Sergipe, seguido de sessão de Teatro Legislativo. Após, haverá apresentação do Coco de Alagoas e um coquetel de encerramento.

No sábado, 29, às 19h, haverá nova apresentação de um grupo de dança da cidade e do documentário sobre o projeto Fábrica de Teatro Popular Nordeste. Em seguida ocorre apresentação de Teatro-Fórum com espetáculo do grupo de TO de Pernambuco. O intervalo artístico será preparado pelo grupo de Multiplicadores de Alagoas. Na seqüência ocorre apresentação de Teatro-Fórum com espetáculo do grupo de TO de Alagoas, seguido de sessão de Teatro Legislativo. Ao final o público compartilha de uma festa de confraternização com trio pé-de-serra.

No domingo, 30, pela manhã, acontecerá um seminário fechado com a presença dos Multiplicadores e atividades para integrantes dos grupos de Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

Teatro Fórum
Segundo Ney Motta, assessor de comunicação do Teatro do Oprimido, as apresentações de um espetáculo de Teatro-Fórum são baseadas na vida real e, por meio da teatralização de uma pergunta, discutem temáticas como: violência doméstica, urbana e sexual, abandono, discriminação racial, social e de gênero, diversidade sexual, direitos trabalhistas, opressão familiar, drogas, etc.

Após a apresentação o público é convidado a intervir na cena e, se desejar, trocar de lugar com os protagonistas, assumindo seus personagens e tentando transformar os problemas encenados. O Teatro Legislativo é um desdobramento do Teatro-Fórum. Além de intervir na cena, os espectadores apresentam propostas escritas de encaminhamento para ações concretas, as quais são sistematizadas por especialistas e votadas pela platéia. As aprovadas são encaminhadas às Casas Legislativas ou às instituições adequadas, conforme o caso.

Ney Motta disse ainda, que o Projeto Fábrica de Teatro Popular Nordeste tem como objetivo formar Multiplicadores de Teatro do Oprimido para pontos de cultura, movimentos sociais e grupos culturais, dos Estados de Sergipe, Alagoas e Pernambuco, interessados em utilizar o Método criado pelo teatrólogo Augusto Boal, para estimular a reflexão de problemas reais e a busca de alternativas, através do Diálogo Teatral com a sociedade.

“Ao longo de 2008, o projeto atingiu diretamente 21 municípios, formou 58 Multiplicadores, 23 grupos comunitários de teatro que fizeram em média cinco apresentações públicas cada em escolas, comunidades, espaços culturais e alternativos ou na rua. Cada grupo comunitário é formado em média por 10 integrantes e recebe em suas apresentações de 30 a 250 espectadores. Assim, podemos estimar que em 8 meses de trabalho o projeto atingiu diretamente mais de 6.238 pessoas. São 6.238 possibilidades de transformação”, afirmou Ney.

MOSTRA REGIONAL DO TEATRO DO OPRIMIDO EM FOTOGRAFIAS

Desde maio de 2007, quando assumimos a direção do Complexo Cultural "O Gonzagão", estamos tendo em alguns momentos a oportunidade de vivenciar algumas situações bastante especiais, em função da força estética e lúdica de algumas expressões culturais, presentes em eventos produzidos por nós ou por produtores independentes.

Um deles, é a Mostra Regional do Teatro do Oprimido que aconteceu nos dias 28 e 29 de novembro e que trouxe além da beleza, a modificação do espaço, através da montagem de estruturas para uma exposição de artes plásticas e apresentações teatrais em um teatro de arena, montado na área central do Gonzagão.

Quem veio/viu ou que não pode vir/ver, poderá ter uma idéia de como foi isso, através das fotografias abaixo.

Fotografias: Zezito de Oliveira






















Abertas as inscrições de atividades culturais para o FSM 2009

Para inscrever uma atividade artístico-cultural, como teatro, cinema, música, literatura, artes visuais, dança, contação de histórias, entre outros, para o Fórum Social Mundial 2009 é necessário estar de acordo com a Carta de Princípios e com o Termo de Referência de Cultura do FSM.

O período de inscrições para manifestações culturais independentes segue até o dia 12de dezembro.

Quem pode se inscrever?

As atividades em torno de temas artístico-culturais poderão ser inscritas por organizações, grupos ou indivíduos.



Como se inscrever?-

As atividades devem estar de acordo com a Carta de Princípios e Termo de Referência do FSM.

- Tem o perfil de uma manifestação artístico-cultural livre (exposição, apresentação musical, dança ou canto, entre outras);

Acesse a ficha de inscrição no link abaixo:

http://www.fsm2009amazonia.org.br/forum-social-mundial/inscricoes/atividades-culturais/ficha-de-indricao-de-atividade-cultural/
OBS 1: As inscrições de manifestações artístico-culturais independentes serão gratuitas e estarão sujeitas a aprovação de um articulador responsável;



Informações: culturafsm09@gmail.com

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Territórios da Paz aproximam comunidade e polícia no combate ao crime

Fonte: Em Questão - Editado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da RepúblicaNº90 - Brasília, 27 de Novembro de 2008

O projeto Territórios da Paz e as ações do governo para auxiliar na tragédia do estado de Santa Catarina foram alguns dos temas abordados pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, no programa Bom Dia Ministro desta quinta-feira (27). Na entrevista, produzida pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República e transmitida via satélite para rádios de todo País, Genro também falou sobre a regulamentação dos call centers e a importância da Lei Seca na redução do número de mortes e acidentes nas estradas. Leia os principais trechos da entrevista.


"Estamos chamando de Territórios de Paz aqueles locais em que todos os projetos de segurança pública já estão sendo aplicados de maneira harmônica entre si. Já temos vários projetos do Pronasci (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania) em andamento em diversas regiões do País. Para que se tenha uma idéia, só na rede de altos estudos de segurança pública, que prepara policiais para diversas funções, temos mais de 170 mil matriculados. Desses, quase 60 mil recebem o bolsa-formação, que é um adicional que pode alcançar até 40% da remuneração do policial para a formação do policiamento comunitário ou para a elaboração de uma técnica de preservação do ambiente do crime, por exemplo, para que a perícia seja feita. Enfim, é um programa de qualificação de policiais. Em determinadas regiões que estão mais avançadas, todos os projetos que foram requeridos pelas autoridades locais já estão sendo aplicados. Esta aplicação tem se dado de maneira harmônica. Por exemplo, esse policial que recebe a bolsa-formação já está em operaçã o em um desses locais, fazendo o policiamento e, portanto, estabelecendo outro tipo de relação com a comunidade, resgatando a relação da comunidade com a segurança, que não entra só para dar tiro. Ali já há a mediação comunitária com o tribunal de justiça da região, que já trabalha para diminuir o conflito entre vizinhos. Já estão alocadas nessas regiões as chamadas mulheres da paz, treinadas juntamente com o Ministério Público para localizar aqueles jovens que estão em uma situação delituosa. A idéia é que esses Territórios de Paz vão se disseminando, porque nossa visão de segurança pública não é aquela em que as coisas são resolvidas pela entrada violenta da polícia, que depois vai embora, deixando a população à mercê do crime organizado."

IV Encontro Mestres do Mundo e III Seminário Nacional de Culturas Populares


Eventos serão realizados no mês de dezembro, na região do Cariri, e reunirá representantes das manifestações da cultura brasileira e da América Latina


Juazeiro do Norte, no Ceará, será o ponto de encontro de cerca de 300 mestres da Cultura do Som, do Corpo, da Oralidade, do Sagrado e das Mãos. A cidade sediará, de 2 a 6 de dezembro, o IV Encontro Mestres do Mundo. A iniciativa é do Ministério da Cultura, por meio da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID/MinC), e do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria de Cultura (Secult).
A solenidade de abertura ocorrerá às 18h da próxima terça-feira (dia 2) com a presença do secretário interino da SID/MinC, Américo Córdula, e dos prefeitos de Juazeiro do Norte, Barbalha e Crato, cidades da região sul cearense, conhecida como Cariri, além de outras autoridades federais, estaduais e municipais. No encerramento dessa primeira noite, haverá o encontro dos Maracatus pernambucanos e cearenses, com apresentações de grupos dos dois estados, além do uruguaio Elumbé.

Nos quatro dias do evento, os mestres das culturas populares se reunirão para apresentações e trocas de experiências sobre seus saberes e fazeres. Em um mesmo espaço, estarão em contato a grande diversidade de tradições vindas de várias regiões brasileiras. Estão programadas oficinas e seminários, além de apresentações artísticas nos três municípios da região.

As atividades das manhãs serão dedicadas às Rodas de Mestre, quando haverá o diálogo e as trocas de percepções e vivências com o objetivo de interação e aprendizagem das diferenças e das semelhanças culturais. Já o período da tarde será reservado para a realização do III Seminário Nacional de Culturas Populares.

Terceira Edição

No período entre os dias 3 e 6 de dezembro, sempre a partir da 14h30, no Memorial Padre Cícero, a SID/MinC e a Secult também promovem a terceira edição do Seminário Nacional de Culturas Populares.

Estarão reunidos representantes de instituições governamentais e da iniciativa privada, da sociedade civil e de movimentos socioculturais com o objetivo de discutir ações que fomentem e garantam a preservação da diversidade cultural brasileira.

Na programação, montagem de mesas de experiências, nas quais serão demonstrados casos de sucesso e a vivência de mestres, instituições, pesquisadores e organizações reconhecidas pelo Ministério da Cultura no Prêmio Culturas Populares.

O Seminário de Culturas Populares é uma demanda da sociedade civil interessada no debate e na construção de uma política pública de apoio a grupos e indivíduos que devido a riqueza de seus saberes tradicionais contribuem para a diversidade da cultura nacional.

Das edições anteriores da iniciativa - que foram realizadas em Brasília, em 2004 e em 2006 - sete pontos sintetizam as contribuições advindas dos grupos de discussão:

Criar fundos de incentivos públicos de apoio às culturas populares
Mapear, registrar e documentar as manifestações das culturas populares
Estabelecer instâncias de diálogo entre o Estado e a sociedade civil para a formulação e deliberação de políticas culturais
Criar mecanismos que favoreçam a inclusão das culturas populares nos processos educativos formais e informais
Criar marcos legais de proteção aos conhecimentos tradicionais e aos direitos coletivos
Democratizar a distribuição de recursos nas várias regiões do Brasil
Facilitar o acesso e desburocratizar os instrumentos de financiamento, de modo a democratizá-los para os segmentos populares
Tanto o IV Encontro Mestres do Mundo quanto o III Seminário Nacional de Culturas Populares contam com o apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, a Lei Rouanet, para a sua realização, e recursos do Fundo Nacional de Cultura.

Informações sobre a programação do Encontro e do Seminário: mestresdomundo.art.br e (85) 3262-5011 ou 3262-0841.

Visite o site: http://www.cultura.gov.br/site/



Comunicação SID/Minc
(61) 3316-2129

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

TEATRO DO OPRIMIDO - NÓS SOMOS BEM MAIS!

A trupe do teatro do oprimido aterrisou no Gonzagão! (E seria ótimo que acontecesse outras vezes!).

Logo na primeira parte da manhã, recebemos os primeiros artistas, que chegaram com material de figurino, adereços de cena e alguns trabalhos de desenho, pintura e escultura. (Gostei de ver a presença de muitos adolescentes no grupo!).

Ao viajar para Cristinápolis, cidade localizada na fronteira com a Bahia, para participar de um evento que reunia algumas dezenas de militantes sociais, oriundos de diversos cidades de Sergipe e principalmente da Bahia, também fiquei alegre ao perceber a presença ativa de jovens envolvidos com a organização do evento.

Por conta do atraso, não pude chegar a tempo de participar da primeira apresentação pública que foi realizada na noite da sexta, mas consegui na noite do sábado.
Ao chegar, na manhã de sábado, cumprimentei Aldo e Helen, responsáveis pela coordenação do evento aqui em Sergipe.

Falei e ouvi com entusiasmo que muitos milagres estão acontecendo no cotidiano, processos e acontecimentos que aparentemente não tem nada de extraordinário, mas que para serem entendidos/percebidos desta maneira, é preciso que se veja e se escute com o coração, com o espírito.

Gostei muito de ouvir que há um “campo vibratório” positivo no Gonzagão que concorreu para que tudo estivesse dando certo.

E em retribuição a esse e outros agradecimentos que foram dirigidos ao Secretário da Cultura e equipe; ao diretor do Gonzagão e equipe, vale a pena dizer que os agradecimentos bem podem ser dirigidos para o universo e a sua conspiração sutil e progressiva que é feita a partir do pensamento e da ação amorosa e gentil de milhões de seres humanos que desejam e constroem a felicidade, em diversas áreas e de diversas maneiras, seja como artistas, políticos, religiosos, estudantes, jornalistas, cientistas, pensadores, escritores, operários, camponeses, professores etc. como também na condição de crianças e jovens ou de mulheres e homens de diferentes povos e culturas.

Alguns se tornaram ou estão se tornando mais conhecidos como Boal, Gonzagão, Benhard Wosien, Alberto Ruz, Madre Tereza de Calcutá, Paulo Freire, Pedro Casaldáliga, Gandhi, Bolivar, Sepé Tiaraju, Tupac Amaru, Rigoberta Menchu, Marina Silva, Ivone Gebara, Mãe Menininha do Gantois, Rose Marie Muraro, Verônica Sacta, Profeta Gentileza, Chico Xavier, João XXIII, Dalai Lama e tantos mais.

Já outros milhões, estão repassando e cuidando das sementes que foram plantadas em seus corações e que aos poucos vão tecendo uma rede de gente livre e bem amada, mostrando que nós, seres humanos, podemos viver com mais beleza e na busca constante por justiça.

E neste sentido, qual a contribuição mais potente que o Teatro do Oprimido pode nos dar? Percebo que é restituindo o direito de expressar os nossos desejos e necessidades na cena teatral.

Afinal, para sustentar o sistema perverso de dominação capitalista, as classes dirigentes não apenas cercam e se apropriam das terras, mananciais de água e de outras fontes de energia, como também estabelecem poderosos controles mentais e institucionais para cercear o direito de nos expressarmos e de nos comunicarmos.
Dentre tantas, a separação entre platéia e expectador, seja no teatro, como na dança, é um dos meios mais eficazes para sustentar a passividade, o comodismo e a alienação.

Lembrando um trecho de uma música de Gilberto Gil, “Quem dera, pudesse todos os homens compreender, oh mãe! Quem dera”, reafirmo que é necessário investir mais tempo, mais recursos materiais e financeiros e a nossa Inteligência para podermos criar mais ambientes de fraternidade e paz, os quais, sem sombra de dúvida, contribuirão para diminuir o mal-estar que sentimos ao nos deparamos com tantos conflitos e ameaças que comprometem a permanência da espécie humana e dos outros seres vivos, como navegantes dessa nossa querida nave mãe-terra.

Vale lembrar que estes ambientes de fraternidade e paz não significam fugir da realidade e negar que vivemos em meio a uma série de contradições tanto no plano pessoal, como no plano das relações sociais, econômicas e políticas. Não é por acaso que todos os exemplos de homens e mulheres citados são protagonistas de uma série de ações de construção da paz em movimento, o que significa travar uma luta diária no cotidiano e sofrendo as conseqüências dessa opção.

P.S.: A inspiração para o titulo deste texto é baseada em uma das minhas músicas preferidas, composta por um cearense “bom danado, uma cara levado da breca”, como diz o ditado popular. O bom danado e levado da breca fica por conta das qualidades desse ser humano, poeta, cantor, músico, místico, ecologista e arte-educador popular, batizado com o nome de José Vicente.

O nome da música é “Eu som bem mais”. Também me acompanhou na escrita desse texto a lembrança de versos de uma música do querido e inesquecível Gonzaguinha, dentre eles:
“Nós podemos muito, nós podemos mais”
Para mim, esta é a síntese do que significa o Teatro do Oprimido.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

PROPOSTAS PARA BID

O Centro Cultural do Banco Interamericano de Desenvolvimento lançou uma Convocatória de Propostas para concessões de ajuda financeira em 2009 a projetos de desenvolvimento cultural de pequena escala. As propostas devem ser enviadas antes de 31 de janeiro de 2009 para as Representações do BID nos 26 países da América Latina e do Caribe que são membros mutuários do Banco. As doações únicas, em valores que variam de US$ 3 mil a US$ 10 mil, serão concedidas a propostas que satisfaçam uma necessidade local, contribuam para os valores culturais, estimulem a atividade econômica e social de forma inovadora e bem-sucedida, apóiem a excelência artística e contribuam para o desenvolvimento dos jovens e da comunidade. Edital e outras informações: www.iadb.org/.

BLOG DA ROUANET

Visando a reformulação da legislação federal de financiamento à Cultura, que esta sendo elaborada a partir de ampla consulta pública, o MinC criou o Blog da Reforma da Lei Rouanet para divulgar todas as iniciativas de reformulação: http://blogs.cultura.gov.br/reformadaleirouanet/. No blog está disponibilizada a apresentação dos Diálogos Culturais (www.cultura.gov.br/dialogosculturais), além dos documentos, dados e propostas de alteração elaborados tanto pelo MinC quanto pela sociedade nos diversos fóruns de debates.O Blog da Rouanet também é um espaço voltado para receber sugestões e comentários sobre as propostas de reformulação para o setor. Outras informações: www.cultura.gov.br/.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Mostra Regional de Teatro do Oprimido - De 28 a 30.11


Augusto Boal idealizador do Teatro do Oprimido

FÁBRICA DE TEATRO POPULAR NORDESTE

Realizado pelo Centro de Teatro do Oprimido (CTO) do Rio de Janeiro, com patrocínio da Petrobras e parcerias da Secretaria Estadual de Cultura de Sergipe, Sesc Alagoas, Secretaria Estadual de Educação de Pernambuco, Sesc Pernambuco e Fundarpe, o evento privilegia o público com espetáculos de teatro, uma exposição estética, lançamento da revista Metaxis V e um documentário, tudo acontecendo no GONZAGÃO, dias 28 e 29 de novembro às 19 horas, com a participação de grupos de Teatro do Oprimido dos três Estados. ENTRADA FRANCA!

Logo na chegada ao GONZAGÃO, o público vai poder apreciar uma exposição alegre, colorida, divertida e reflexiva da Estética do Oprimido, que consta de trabalhos artísticos produzidos pelos grupos comunitários ao longo de 2008, sob orientação de Helen Sarapeck, Flávio Sanctum, Claudete Felix, Cláudia Simone, Olivar Bendelack e Cláudio Rocha, Curingas do CTO, e direção artística do teatrólogo Augusto Boal. Em seguida será apresentado o documentário Fábrica de Teatro Popular Nordeste, que conta os oito meses de atuação do CTO na região, e após haverá o lançamento da Metaxis V, revista do Centro de Teatro do Oprimido cuja edição é dedicada ao projeto. E, finalmente, acontecem os espetáculos produzidos e encenados pelos grupos e Multiplicadores de Teatro do Oprimido (TO) existentes e atuantes em Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

PROGRAMAÇÃO
Na sexta-feira (28) às 19h, acontece a abertura do evento com exposição de trabalhos artísticos da Estética do Oprimido, apresentação de um grupo de dança da cidade, do documentário sobre o projeto Fábrica de Teatro Popular Nordeste e lançamento da revista Metaxis V. O intervalo artístico desta noite será preparado pelos grupos de TO de Pernambuco, com música, dança e poesia. Na seqüência ocorre apresentação de Teatro-Fórum com espetáculo do grupo de TO de Sergipe, seguido de sessão de Teatro Legislativo. Após, haverá apresentação do Coco de Alagoas e um coquetel de encerramento.

No sábado (29) às 19h, haverá nova apresentação de um grupo de dança da cidade e do documentário sobre o projeto Fábrica de Teatro Popular Nordeste. Em seguida ocorre apresentação de Teatro-Fórum com espetáculo do grupo de TO de Pernambuco. O intervalo artístico desta noite será preparado pelo grupo de Multiplicadores de Alagoas. Na seqüência ocorre apresentação de Teatro-Fórum com espetáculo do grupo de TO de Alagoas, seguido de sessão de Teatro Legislativo. Ao final o público compartilha de uma festa de confraternização com o grupo Forró Pé de Serra de Sergipe.

No domingo (30) pela manhã, acontece um seminário fechado com a presença dos Multiplicadores e atividades para integrantes dos grupos de Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

REFLEXÃO
As apresentações de um espetáculo de TEATRO-FÓRUM são baseadas na vida real e, por meio da teatralização de uma pergunta, discutem temáticas como: violência doméstica, urbana e sexual, abandono, discriminação racial, social e de gênero, diversidade sexual, direitos trabalhistas, opressão familiar, drogas, etc. Após a apresentação o público é convidado a intervir na cena e, se desejar, trocar de lugar com os protagonistas, assumindo seus personagens e tentando transformar os problemas encenados. O TEATRO LEGISLATIVO é um desdobramento do Teatro-Fórum. Além de intervir na cena, os espectadores apresentam propostas escritas de encaminhamento para ações concretas, as quais são sistematizadas por especialistas e votadas pela platéia. As aprovadas são encaminhadas às Casas Legislativas ou às instituições adequadas, conforme o caso.

DADOS ESTATÍSTICOS
O projeto Fábrica de Teatro Popular Nordeste tem como objetivo formar Multiplicadores de Teatro do Oprimido para pontos de cultura, movimentos sociais e grupos culturais, dos Estados de Sergipe, Alagoas e Pernambuco, interessados em utilizar o Método criado pelo teatrólogo Augusto Boal, para estimular a reflexão de problemas reais e a busca de alternativas, através do Diálogo Teatral com a sociedade.

Ao longo de 2008, o projeto atingiu diretamente 21 municípios, formou 58 Multiplicadores, 23 grupos comunitários de teatro que fizeram em média 5 apresentações públicas cada em escolas, comunidades, espaços culturais e alternativos ou na rua. Cada grupo comunitário é formado em média por 10 integrantes e recebe em suas apresentações de 30 a 250 espectadores. Assim, podemos estimar que em 8 meses de trabalho o projeto atingiu diretamente mais de 6.238 pessoas. São 6.238 possibilidades de transformação.


SERVIÇO
Mostra Regional Fábrica de Teatro Popular Nordeste

Dias 28 e 29 de outubro

Horário: 19 horas

Local: Complexo Gonzagão. Avenida Heráclito Rollemberg s/n°, Conjunto Augusto Franco, Aracaju. Telefone: (79) 3248-6070

Capacidade de público: 300 pessoas

INGRESSOS GRATUITOS, retirados na bilheteria de 8 às 12h e de 14 às 18h.

Classificação etária: Livre


IMPRENSA

Ney Motta | Assessoria de Comunicação

CENTRO DE TEATRO DO OPRIMIDO - CTO

tels. (21) 2539-2873 e 8718-1965

e-mail: neymotta@terra.com.br

skype: neymotta


O projeto FÁBRICA DE TEATRO POPULAR NORDESTE

Movimentando as engrenagens
A Fábrica de Teatro Popular Nordeste, um empreendimento cultural do Centro de Teatro do Oprimido, tem o objetivo de formar multiplicadores de Teatro do Oprimido nos Estados nordestinos de Sergipe, Alagoas e Pernambuco. Com a adesão de 54 grupos e instituições, tem a participação efetiva de 102 multiplicadores, que atuam em 32 municípios da região. Beneficiando a todos, esta máquina cultural movimenta crianças, jovens, adultos e idosos de comunidades empobrecidas às universidades: no campo e na cidade. Ferramenta importante, o Teatro do Oprimido tem ampliado as possibilidades de expressão de diversos grupos no Nordeste – sertão, agreste, mata e litoral.

Criatividade é a mola-mestra
Nesta fábrica teatral encontra-se o desafio da escassez de recursos, através de parcerias e da criatividade, como forma de garantia da riqueza estética. O Teatro do Oprimido é uma metodologia lúdica, de fácil aplicação, que não exige custos altos de investimento. Com resultados eficientes, vem sendo instrumento fundamental em programas sócio-culturais em cerca de 70 países. A técnica mais usada é a do Teatro-fórum: na encenação de problemas vivenciados pelos participantes, a platéia entra em cena e mostra, em ações, idéias e propostas de transformação, através de um amplo debate cênico.

Mecanismo teatral
A mecânica de funcionamento do método criado por Augusto Boal transforma problemas reais em espetáculos teatrais e estimula a discussão pública de temas variados, inclusive os considerados tabus. Os multiplicadores de Teatro do Oprimido ensinam aprendendo, num diálogo democrático e propositivo com as comunidades, em pontos de cultura, movimentos sociais e grupos culturais.

Centro de Teatro do Oprimido (CTO)
O Centro de Teatro do Oprimido é um núcleo de pesquisa e difusão. Sua filosofia e suas ações visam à democratização dos meios de produção cultural, através de projetos que estimulam a participação ativa da sociedade onde os grupos organizados sejam os protagonistas.

Democratizar os meios, multiplicar os fins

Democratizar o acesso aos meios de criação artística para multiplicar a produção cultural comunitária. Esta é a proposta da Fábrica de Teatro Popular Nordeste. Esta iniciativa conta com o patrocínio da PETROBRAS e é desenvolvida em parceria com a secretaria Estadual de Cultura de Sergipe, o SESC Alagoas, a Secretaria Estadual de Educação de Pernambuco e o SESC Pernambuco.